Botox além da estética

  • Home
  • Botox além da estética
Shape Image One
Botox além da estética

Botox. Quando se fala, ou lê essa palavra, muitas pessoas automaticamente associam ao uso “cosmético”, voltado para um realce das questões estéticas – algo usado para se livrar de rugas indesejadas ou conseguir uma boca mais volumosa. No entanto, a Toxina Botulínica (conhecida popularmente como botox) foi desenvolvida primeiramente para auxiliar nas questões terapêuticas e no melhoramento de algumas doenças patológicas.

As pesquisas com a toxina se iniciaram entre as décadas de 50 e 60, quando o oftalmologista americano Alan B. Scott buscava tratamentos alternativos para o estrabismo e percebeu uma melhora no arqueamento do supercílio. Sua esposa era dermatologista e acabaram utilizando dessa toxina também para fins estéticos, já que observou-se uma caracterização mais harmônica e jovial da face, o que acabou estimulando o uso da toxina para essas finalidades.

Aqui no Brasil, o botox é usado para fins terapêuticos desde 1992, muito antes do uso estético, que começou somente nos anos 2000. As primeiras indicações eram para o estrabismo e o blefaroespasmo (ato de piscar os olhos de maneira descontrolada e excessiva), mas hoje ele já pode ser usado para tratar doenças tão diversas como bexiga hiperativa, cefaleia tensional, enxaqueca, paralisias, AVC, espasmos musculares e hiperidrose (suor excessivo).

A toxina botulínica é uma proteína produzida pela bactéria Clostridium botulinum, causadora do botulismo, que age inibindo a liberação de acetilcolina, neurotransmissor que atua na contração muscular, causando efeito paralisante e o enfraquecimento temporário da atividade muscular, reduzindo o tônus (contração) muscular, sem que haja outros efeitos colaterais. Com o passar do tempo, há um restabelecimento da transmissão neuromuscular e retorno gradual à função muscular completa.

Na odontologia, o emprego da toxina pode ser realizado tanto na área estética quanto na área terapêutica. A toxina botulínica pode ser utilizada em casos de sorriso gengival (exposição excessiva da gengiva durante o sorriso) ou assimetria do sorriso; hábitos como bruxismo (ranger os dentes), briquismo (apertamento dos dentes), ambos com prejuízos dentários, musculares e ósseos, causando, ainda, a cefaleia secundária (dores de cabeça que podem manifestar-se na região lateral da cabeça, testa e estender-se até a nuca); hipertrofia do músculo masseter causando assimetrias faciais; disfunções da articulação temporomandibular, que pode apresentar dor e desconforto durante a mastigação; redução de forças musculares após reabilitação com implantes dentários; e sialorreia (salivação excessiva).

A toxina botulínica trouxe inúmeros benefícios para os pacientes odontológicos, sendo uma alternativa de tratamento pouco invasiva e com efeitos duradouros, além de complementar a harmonização facial com outros tratamentos estético-funcionais.

Portanto, a relação entre o dentistas e o botox é uma constante, formando profissionais cada vez mais capacitados para administrarem a substância.

Dra. Carolina Simões
Especialista em Periodontia
Harmonização Orofacial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *